Como plantar Cocos      Como plantar Coco      Plantar Coco      Coco      Como
Frutas do Brasil




Informações:





CULTIVO DO COCO
Veja abaixo algumas sugestões de como plantar coco: Como plantar coco:
O coqueiro precisa de muita água, temperatura alta e muita radiação solar. A área escolhida para plantio necessita de uma precipitação média anual superior a 1.600 mm.
Em regiões com chuvas abaixo de 1.000 mm/ano, é preciso sistema de irrigação. A temperatura anual média deve ter em torno de 27ºC. Baixas temperaturas causam modificações na morfologia da planta.
A radiação solar ou insolação acima de 2.000 horas/ano é propicio para o coqueiro, com o mínimo de 120 horas/mês. Solos profundos são ideais (cerca de 1 m de profundidade), argilosos e silico-argilosos, bem drenados, ricos em matéria orgânica, com lençol freático entre 1 a 4 m de profundidade.
As áreas devem ser planas a ligeiramente onduladas. A produção de mudas é realizada através da noz semente.
A planta escolhida deve estar em plena produção, apresentar precocidade, ser vigorosa, ereta, sua copa deve ter de 30 a 35 folhas e comprimento de 4 metros, com folhas para cima e para baixo (excluir aquelas com copa em forma de espanador).
O coqueiro deverá ter grande número de cachos e frutos, com pendúnculo curto e flores femininas, frutos de forma arredondada, a parte comestível com alto teor de óleo e a água saborosa quando ainda verde.
Escolha os frutos que estejam no ponto de cair naturalmente, com 50 a 70% de água para ocorrer a germinação.
Após colhidos, e amontoados em local arejado e protegidos do sol, os frutos necessitam descansar por 10 dias (coqueiro anão) e 20 dias (coqueiro gigante).
Depois desse período, as nozes devem ser preparadas para a semeadura. Será feito o entalhe, que é a retirada de um pedaço da casca fibrosa na protuberância mais alta, do lado que se prende à inflorescência.
Para plantio, escolha uma área que fique em pleno sol. Para preparar os canteiros, estes devem ter 1,2 m de largura e comprimento variando de acordo com a quantidade de sementes.
Organizar as nozes lado a lado, com entalhe para cima e voltados para a mesma direção. Preencher com terra os espaços vazios entre as sementes, deixando 1 cm de fruto descoberto.
Cobrir com uma camada de casca de arroz, capim ou similar, com uma espessura de 3 a 4 cm para manter a umidade das regas regulares.

É necessário etiquetar os frutos com a data da semeadura, por que a germinação está relacionada com a precocidade da futura planta.
Sementes que não germinarem no prazo de 120 dias devem ser excluidas.
Assim que a planta alcançar 15 cm, eliminar os brotos mais fracos, deixando apenas um, o mais vigoroso, bem fixado na casca.

Com um gancho de ferro retirar a muda do germinador e cortar as raízes longas a 1 ou 2 cm da casca.
Após, colocá-las em sacos plásticos ou viveiros.
Os sacos devem ser de polietileno preto, com 0,2 mm de espessura, dimensões de 40 cm x 40 cm (anão) ou 60 cm x 60 cm (gigante) e furos no terço inferior (3 fileiras espaçadas de 5 cm).

Para cada 1 m3 preparar a seguinte mistura: a)35 latas de 20 litros de terra de superfície; b)12 latas de 20 litros de esterco de curral curtido; c)2,5 kg de superfosfato simples; d)0,5 kg de cloreto de potássio.
Peneirar a terra e o esterco antes de realizar a mistura. Umedecer a mistura e deixar descansar por 30 dias. Os sacos devem ser cheios, até 2/3 de sua capacidade, com a mistura, colocar a muda e completar o enchimento de modo que a semente seja coberta com 1-2 cm de terra misturada.
Distribuir sacos plásticos na área com espaçamento de 60 x 60 x 60 cm, em forma de triângulo equilátero. As mudas devem ser mantidas úmidas com regas efetuadas de manhã e à tarde (as mudas são colocadas de modo que o fruto seja coberto com apenas 2 cm de terra).

Pela manhã faz-se a irrigação e também no final da tarde. Um mês após efetuar adubação em cobertura com a seguinte mistura: 16,5% de uréia, 33,5% de superfosfato simples e 50% de cloreto de potássio aplicando 18 g, por planta, na primeira aplicação.
Subir para 24 g (2 meses), 30 g (3 meses), 36 g (4 meses), 48 g (a partir de 5 meses).
Incorporar adubo à terra de superfície, ao redor da noz e logo após, irrigar.

É um método prático e econômico, no viveiro, mas as plantas estão sujeitas ao ataque de pragas e doenças.
Depois de 4 meses, as mudas estarão prontas para irem ao local definitivo.
Este deve ser preparado com 1 mês de antecedência, abrindo as covas com as dimensões de 60 x 60 x 60 cm, e um espaçamento de 7,5 x 7,5 x 7,5 m para a variedade Anã, ou de 9 x 9 x 9 m, para a Gigante.
O enchimento para cada cova é misturar à terra extraída das covas com 20 litros de esterco de curral, 800 g de superfosfato simples, 200 g de cloreto de potássio e 200 g de calcário dolomítico.

Evitar o ataque de ervas daninhas através de roçadas e efetuar regas periódicas, aumentando-as no período de estiagem.
Tirar as folhas somente quando estiverem secas: se retiradas verdes, a produção de frutos será comprometida.

O Coqueiro Anão começa a produzir no 2º ano e o Coqueiro Gigante no 4º ou 5º ano de vida.
Para consumo da água do coco, a colheita é realizada ao redor do 6º mês após a abertura da flor.
Nessa época, o fruto estará com tamanho e peso máximos e a casca fácil de ser removida.
Para fins culinários, os cocos são colhidos entre 12 e 13 meses após a polinização. Os frutos quando maduros, caem sozinhos e duram muitos meses.